quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

E tudo o Dragão levou!

imagem retirada de zerozero
É um facto que critico o Futebol Clube do Porto. E faço-o sempre na prespectiva de que as coisas melhorem. Mas também sei elogiar este FC Porto e hoje é praticamente impossível não se elogiar a prestação deste Porto diante de um muito frágil GD Estoril Praia.

37 dias depois um tremendo “vendaval” ofensivo dos portistas na segunda parte colocou, e bem, os Dragões na merecida liderança da Liga NOS tendo agora cinco pontos de distância para o segundo classificado. Cabe agora a Sérgio Conceição - e restante equipa - saber gerir esta vantagem pontual. Gestão esta que não vai ser nada fácil dado que começam a ser algumas e preocupantes as lesões de jogadores importantes (como Alex Telles, por exemplo).

Uma nota final sobre a arbitragem desta segunda parte. É um facto que Vasco Santos errou na análise do primeiro golo dos azuis e brancos, mas também é verdade que o Estoril não jogou absolutamente nada. Até Ivo Vieira, treinador dos «canarinhos», assumiu tal sem recorrer à arbitragem. Por isto o Benfica e o seu exército de “cartilheiros” que “metam a viola ao saco” e vão pregar para a Freguesia de Carnide. Especialmente quando o clube da Luz é beneficiado por erros arbitrais diante de equipas que estão a lutar de igual para igual com a equipa de Rui Vitória. E o mesmo recado é enviado ipsis verbis para o Sporting.

MVP (Most Valuable Player): Tiquinho Soares. Confesso que me foi complicado escolher o melhor em campo de um jogo tão estranho, mas a verdade é que Tiquinho Soares deu a volta a um resultado que ao intervalo era desfavorável para as aspirações azuis e brancas. Daí eu ter considerado o avançado brasileiro o MVP deste jogo.

Chave do Jogo: Apareceu no arranque da segunda parte para resolver a contenda a favor do FC Porto. A forma destemida e decidida como os portistas entraram em campo resolveu de imediato uma partida que até estava complicada para as aspirações azuis e brancas.

Arbitragem: Partida difícil para Vasco Santos. A alta intensidade com que o FC Porto entrou em campo levou a vários lances divididos e a alguns bate-bocas. Mas o maior erro acaba por aparecer mesmo no primeiro golo portista. Soares não toca na bola, é um facto, mas o avançado brasileiro aparecia em fora de jogo e acabou por ter influência na jogada. Erro que acabou por não ser corrigido pelo VAR.

Positivo: Raça portista. A perder ao intervalo e a só poder entrar em campo 37 dias depois para disputar a segunda parte, impossível é não se elogiar a forma fantástica como este Futebol Clube do Porto procurou resolver o jogo.

Negativo: Comentadores da SportTv. É verdade que o árbitro errou no primeiro golo do FC Porto, mas daí a dizer-se que o GD Estoril perdeu por causa disto vai uma grande distância.
 
Artigo publicado no blog o gato no telhado (21/02/2018)

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Vamos lá acabar isto...

37 dias depois eis que temos a segunda parte do Estoril x FC Porto, da jornada 18 da Liga NOS. Certamente todos sabem o que aconteceu na noite de 15 de janeiro e não precisamos de explicar. Seja como for, o jogo ganhou ainda mais importância na corrida pelo título e a entrada dos dragões a perder nesta segunda parte gera ainda mais importância na partida.

Em caso de vitória os dragões aumentam para cinco pontos a vantagem sobre Benfica e para Sporting. Essa situação faz com que estes segundos 45 minutos ganhem uma maior importância e o facto de os dragões estarem a perder aumentam a emoção para uma segunda parte que se espera de alta tensão.

Uma grande confusão nas equipas

Existe uma grande confusão sobre quem pode ou não jogar. A melhor explicação está aqui, mas de forma resumida podemos dizer que os reforços das duas equipas que ainda não estavam inscritos na data da primeira parte não podem jogar. Jogadores que começaram no 11 titular das duas equipas não podem ir para o banco de suplentes e os jogadores que estavam castigados para o dia 15 de janeiro não podem jogar, mas jogadores que tenham sido suspensos na última jornada podem atuar.

Esclarecidos alguns pontos, chegou a hora de olhar para o momento das duas equipas. O FC Porto vem de uma grande vitória na Liga, mas terá de dar tudo nestes 45 minutos, até porque o clássico com o Sporting está quase a chegar.

O Estoril está a atravessar o melhor momento da temporada, mas não vai contar com alguns dos reforços que deram um aumento de qualidade à equipa estorilista. Será essencialmente um jogo onde a equipa de Ivo Vieira terá de manter a intensidade que tinha mostrado na primeira parte.

O jogo promete ser quente e intenso e mesmo sendo só 45 minutos será encarado como uma partida completa. Em caso de vitória o FC Porto pode dar um passo muito importante na luta pelo título. 

CLICAR PARA AMPLIAR
Artigo publicado no site zerozero

Classificação das Ligas do Porto com Mística

classificação completa aqui
Treinador da Semana: Parabéns ao Paulo Ferreira (Treinador da equipa 1893FCP) que foi quem fiz mais pontos na 1.ª mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

A Cagada Final

Assim se deveria chamar o novo programa da SportTv em vez de “Juízo Final” expressão presunçosa de quem pensa que tem toda a verdade e consegue enganar os parolos. Nem sequer foram inteligentes ao adotar um nome que já existiu em 2016 na SportingTV.
Em comunicado, a SportTv anunciou que após cada jornada da Liga NOS o "Juízo Final" vai permitir rever as principais jogadas dos jogos que decorrerem durante o fim-de-semana “através de uma análise detalhada das imagens do sistema VAR”. E das omissões, erros, contradições ou asneirolas das equipas de arbitragem pergunto eu?
O programa será conduzido por Miguel Belo e vai contar com comentários de Luís Marques adepto do clube da treta, Diogo Feio apoiante do FCP e Jaime Cancella de Abreu (como tem 2 consoantes só pode ser do clube dos croquetes como Roquette e Bettencourt). Pedro Henriques, e Arnaldo Cezar Coelho, ex-árbitros vão também “analisar o desempenho do VAR, bem como, as decisões da equipa de arbitragem”.
 
Os estimados espetadores, sobretudo os Portistas, já estão fartos de ser gamados. Tem a noção exata das falcatruas protagonizadas em quase todas as jornadas pelos árbitros/abortos paridos por Vítor Pereira esse personagem sinistro, tratador de cãezinhos amestrados, que em boa hora foi corrido da arbitragem portuguesa.
Então de que consta esse programa? Em princípio fazem uma escolha de 3 lances das equipas consideradas grandes, Porto, Sporting e Benfica e, ao arrepio do que for decidido pelos árbitros e respetivos VAR durante os jogos, proclamam a SUA VERDADE! Já não nos bastava sermos gamados, primeiro no campo, e depois pelos lacaios das rádios, pasquins e cassetes piratas. Se por mero acaso conseguirmos passar incólumes à cambada dos cartilheiros corruptos lá vem agora a SportTv ajudar à missa!
Uma coisa que também nunca entendi por parte da SportTv é a raiva persecutória com que nos atinge. Afinal Joaquim Oliveira que ainda lá manda qualquer coisinha é o segundo maior acionista individual da nossa SAD. Então e mesmo assim está sempre a tramar-nos durante as transmissões e anda de braço dado com o Orelhas e a cambada dos Calimeros?
 
Acabem lá com esse programa falhado. Já temos o VAR que é um rotundo fracasso. Em vez de um árbitro são dois a roubar. Quando não rouba o do relvado rouba o que está na casota. Só serve mesmo os interesses do clube da treta já que os corruptos que lá colocam são todos daquela cor. Não precisamos de outro programa igual aos cartilheiros da SIC ou da TVI24. Faz lembrar as obras da Câmara que tem um fiscal que controla os trabalhadores, um segundo fiscal que controla o primeiro e um terceiro que controla o segundo!
 
Até à próxima

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Regresso da tranquilidade em dia de “discos pedidos”

imagem retirada de zerozero
Comecemos pelos “discos pedidos” antes de entramos no FC Porto 5 x Rio Ave FC 0 da 23.º jornada da Liga NOS. Na minha opinião fica mal a Sérgio Conceição (SC) deixar-se levar pela “letra” dos adeptos. Ao voltar a colocar José Sá no banco de suplentes, SC atendeu ao pedido de muitos adeptos que viram em José Sá a única e exclusiva razão pela qual os Dragões sofreram aquela que ficou na história como a maior derrota caseira do clube nas competições europeias. E SC fez mal ao ter seguido a “massa” porque quem tiver visto o 5 a 0 da passada quarta-feira a favor do Liverpool com olhos de ver e dois dedos de testa facilmente percebe que se tivesse sido Iker Casillas o guarda-redes desta fatal partida, o resultado final teria sido de 4 a 0 a favor da equipa inglesa. SC meteu “água” diante do Liverpool dado que não soube, de forma alguma, preparar a sua equipa para fazer face a um Liverpool FC que sabia muito bem como “dar a volta” ao Futebol Clube do Porto. Ao ter aceitado as exigências dos “exigentes” adeptos, SC perdeu, em definitivo, mais um elemento de um plantel que é curto por mera opção. A ver vamos se porventura esta coisa dos “discos pedidos” se fica por aqui ou se vamos ter mais disto lá para a frente sempre que alguma coisa corra mal. Passemos então ao jogo de hoje.

Que dizer de um jogo normal onde o habitual sistema de jogo portista acabou pro ser mais forte do que a audácia ofensiva da equipa vila-condense? Pouco. Muito pouco. O que há para dizer é que o Rio Ave não mereceu ter perdido por tantos golos se bem que a equipa de Miguel Cardoso tenha tentado fazer aquilo que não se deve fazer diante da equipa “corre-corre até à exaustão” de SC. Especialmente nos lances de bola parada como os cantos. E foi por muito por causa desta insensatez que os azuis e brancos conseguiram vencer hoje. Claro que há que dizer que os atletas do Rio Ave FC têm muita vontade de fazer, mas já a capacidade para o fazer é outra história. Parece-me que a de Vila do Conde ficou um tudo ou nada abalada pela polémica dos jogos comprados… Polémica esta dal qual mais ninguém ousou falar depois de o SL Benfica ter sido “apanhado” no meio da dita.

Penso que teria sido um tudo ou nada importante que hoje a equipa de SC tivesse “tirado um pouco o pé do acelerador”. Espacialmente tendo em consideração que na próxima quarta-feira há que disputar a segunda parte de um jogo que a equipa portista está a perder ao intervalo. Mas pedir a esta equipa que faça gestão de esforço é o mesmo que pedir a um penedo que saia do caminho. Parece que este FC Porto não sabe fazer outra coisa senão correr até à exaustão. Nunca ouviram falar de posse de bola e de se juntar linhas para se retirar espaço de manobra ao adversário?

E já agora, Diogo Dalot na posição de defesa lateral esquerdo? Não me lixem o juízo!

Mas pronto, o mais importante esta feito. Em princípio o choque da Champions não afectou a equipa que mostrou que continua focada naquilo que é o objectivo principal da época: conquista do campeonato. Espero que tal se mantenha assim numa fase que está longe de ser fácil no que ao calendário competitivo diz respeito.

MVP (Most Valuable Player): Maxi Pereira. “Velhos são os trapos” e Maxi é a prova disto mesmo. O defesa lateral direito uruguaio deu sempre tudo o que tinha e não tinha ao Futebol Clube do Porto mesmo quando já tinhas as “pilhas gastas” Excelente a fazer todo o corredor lateral direito defensivo e ofensivo da equipa portista.

Chave do Jogo: Esta apareceu na partida com o golo de Marcelo na própria baliza. A partir do minuto 34´ ficou definido que a haver um vencedor este seria o Futebol Clube do Porto.

Arbitragem: Lance duvidoso aos 14 minutos quando Tarantini faz falta sobre Soares à entrada da área. Talvez pudesse ter sido mostrado o vermelho directo ao médio do Rio Ave. Tirando isto até que se pode dizer Carlos Xistra fez um bom trabalho. E há que realçar a primeira vez que o VAR decide (e bem) um lance duvidoso a favor do FC Porto!

Positivo: Seguir em frente. Depois da copiosa derrota caseira diante do Liverpool não há nada como golear o adversário quês e segue. Melhor forma de se recuperar a moral do que está é impossível.

Negativo: Correr, correr e correr. A vencer por três bolas a zero é perfeitamente descabido continuar-se a correr como se a partida estivesse empatada a zero. Um campeonato é uma maratona e não uma prova dos cem metros. 
 
Artigo publicado no blog o gato no telhado (18/02/2018)

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Reagir para voltar ao topo

Foi derrota pesada. Foi uma exibição fraca, mas domingo é para reagir. Ainda que mais acalorado, terá sido um discurso semelhante a este que Sérgio Conceição teve para com os seus jogadores após a derrota da passada quarta-feira frente ao Liverpool, nos oitavos de final da Liga dos Campeões.

Certamente que o chip de todos os jogadores do FC Porto já mudou para a Liga e a vontade será de lavar a face perante os seus adeptos e voltar a ter uma exibição dominante na defesa da liderança da Liga NOS. Ainda assim, o adversário não é uma equipa qualquer, é o 5º classificado do campeonato e é uma equipa que vem de uma vitória expressiva na última jornada.

Baixas importantes

Com o acumular dos jogos começam a aparecer os problemas físicos no FC Porto. Marcano vai regressar e tudo aponta que será titular, mas outros três jogadores importantes para Sérgio Conceição não vão ter a mesma sorte. Aboubakar, Danilo e Ricardo Pereira vão ficar de fora e não se pode negar que são três peças com peso no xadrez que o jogo do dragão.

Será também interessante ver dois estilos de jogo diferentes em confronto este domingo. De um lado um Rio Ave que aposta na posse de bola, na construção apoiada e num jogo de evolução paciente para o ataque. Do outro está a equipa mais vertical do campeonato, o FC Porto. Uma equipa que aposta na capacidade física, nos ataques objetivos. Um confronto de ideias e será certamente interessante.

Depois da vitória do Benfica a equipa portista terá no seu reduto a possibilidade de fazer uma espécie de dois em um. Reagir ao jogo com o Liverpool e voltar ao topo da classificação, mostrando que está totalmente focada no campeonato.
CLICAR PARA AMPLIAR
Artigo publicado no site zerozero